ESCOLHA UMA LETRA:


A B C D E F G H I J L M N O P Q R S T U V W X Y Z

Os 51 Melhores Pratos típicos da Espanha




Nomes de 51 melhores pratos típicos da Espanha

 https://3.bp.blogspot.com/-nmCS_Qu8-fI/U8SfztMVt7I/AAAAAAAARtc/9pnqFqqB_2k/s1600/paella_blind.jpg

  • Os 51 melhores pratos da Espanha

    As listas quase nunca são necessárias, (quase) sempre injustas e, claro, sempre escondem um exercício popular para vender mais revistas. Tudo isso é verdade. Mas como gostamos deles, hein? Então, depois dos 24 melhores queijos do mundo e dos 101 restaurantes para visitar - e agora estamos pulando no vazio, nos atrevemos a fazer a lista impossível: os 51 melhores pratos da Espanha. E antes da guilhotina, aqui vão alguns esclarecimentos:

    - São pratos populares, com algumas notáveis exceções da cozinha vanguardista (Muñoz, Alija, León ou Dacosta) que já são clássicos pela sua relevância.


    - São pratos nacionais (paella, torresmo, caldeirada ou escudela) mas também incluímos preparações que já fazem parte do nosso quotidiano gastronómico: ceviche, pizza, nigiri ou curry.

    Arroz de cinzas de Quique Dacosta em El Poblet (Valência)

    É impossível escolher um prato de Quique Dacosta. Muitos anos (dez?) Chegando pontualmente como um peregrino à cozinha, esperando o mais difícil de todos. Trufa, névoa, floresta animada, pedras de parmesão ou pétalas de rosa. Mas para esta classificação, um arroz: seu maravilhoso arroz de cinzas.

    • Butterfish nigiri com trufa em Kabuki (Madrid)

      Eu comia e jantava nigiris todos os dias. Mas se são também os nigiris butterfish com trufa que popularizaram no Kabuki Wellington, minha felicidade pode chegar a extremos absurdos. Bom para Ricardo Sanz. O da foto é de Komori, a filial do Grupo Kabuki dirigida por Nacho Honrubia em Valência.

    • Tutano grelhado com molho de tomate no Punto MX (Madrid)

      Não é mais uma novidade, nem um modismo, é simplesmente um dos grandes restaurantes mexicanos do mundo. E é em Madrid. É impossível escolher um prato a partir do exercício de releitura que Roberto Ruiz faz todos os dias da tradicional cozinha mexicana, mas hoje decidimos pela medula.

    • Espargos grelhados em Remigio (Tudela)

      Dois platazos de Tudela. As alcachofras e estes espargos torrados com carvão fumado e óleo de cardamomo preto que bordam no Restaurante Remigio. Espargos orgânicos, colhidos algumas horas antes de chegar ao prato. Maravilhoso

    • Escudella i carn d'olla na Via Veneto (Barcelona)

      Um dos pratos mais representativos da cozinha tradicional catalã em um dos grandes sobreviventes da velha escola. Um prato de origem humilde, um caldo que, por volta do século XIV, era comida diária na Catalunha. Todas as quartas-feiras (e no Natal, como não poderia deixar de ser) na Via Veneto.

    • Ensopado madrilenho em El Charolés (San Lorenzo de El Escorial)

      Escudella i carn d'olla e Cocido madrileño, não somos tão diferentes. Ao lado do cozido de La Bola (142 anos cozinhando este platazo) e de Lhardy (desde 1839) ficamos com o purismo imperturbável de Manolo Mínguez em sua casa em El Escorial.

    • Pizza margarita de Jesús Marquina, Tomelloso (Ciudad Real)

      “A melhor pizzaria do mundo” e Marquina já ganhou ( em Roma, cuidado ) o Campeonato Mundial de Pizza quatro vezes. Suas pizzas memoráveis (as massas são absolutamente artesanais, feitas com farinhas especiais importadas da Itália ) que você pode engolir tanto na casa da sua mãe quanto no Quilômetro de Pizza.

    • Cordovan salmorejo com presunto alimentado com bolota em Laredo (Madrid)

      Laredo é um dos grandes bares de Madrid (junto com o Arzábal e o Viavélez ) e apesar de ter aquelas fantásticas tripas ou ouriços do mar: salmorejo. De dez.

    • Sandwich Club na StreetXO (Madrid)

      O restaurante que mudou tudo. O louco que não sabe (espero que nunca saiba) nem quer olhar para trás. Tudo (tudo) está acontecendo no StreetXo, não te dá essa sensação? E o club sandwich é o exemplo perfeito de porque este bar é absolutamente necessário em Madrid.

    • Cebola ou bacalhau em Nerua (Bilbao)

      Dois pratos estouraram minha cabeça naquela (agora distante) primeira visita ao que agora é meu El Dorado particular. O tomate e esta cebola ou bacalhau inesquecível que encapsula todas as virtudes da cozinha joseana: especialidade, pureza e um sentido mais sutil e silencioso da epopeia.

    • Plâncton sob o microscópio em Aponiente (Puerto de Santa María)

      Este é um ranking de pratos populares, não de grandes criações gastronômicas. Mas obviamente há exceções, pratos que já são clássicos, que já fazem parte da memória culinária de todos os gourmets. David Muñoz, Josean Alija ou Quique Dacosta deviam estar nesta lista, e meu amado Ángel León e seu plâncton sob o microscópio também.

    • Turbot em Elkano (Guetaria)

      Sem mais: o melhor peixe que já comi na vida. O pregado que todos os dias -na estação- chega a Elkano, a casa da família Arregui, fundada por Pedro e hoje comandada por seu filho Aitor. Isso é gastronomia.

    • Tártaro de atum vermelho no Sushi Home (Valência)

      Sushi Home é, junto com Komori, o melhor japonês de Valência e este prato é um dos carros-chefe de sua culinária. Dados de atum, soja, abacate e wasabi; um prato aparentemente simples que, no entanto, não é tão fácil. Aqui eles bordam.

    • Tio Agus no bar Lorenzo (Logroño)

      Logroño é a rua Laurel. E aqui não há pressa ou relógios, mas sessenta bares, um a cada dois metros. Sessenta bares que são sessenta desculpas para voltar uma e outra vez para percorrer a 'Rota dos Elefantes', o Tio Agus do bar Lorenzo e aquele molho misterioso que nem mesmo as garçonetes conhecem. Puro prazer culpado de Riojan.

    • Lagosta e rossetjat de vegetais em Arrosería Duna (Pinedo)

      No coração do parque natural de Albufera, Abraham Brandez há muito toma as rédeas da cozinha e isso mostra; esse garoto faz as coisas bem. Do resto, o que dizer: não há lugar melhor (digo isto) em toda a costa valenciana para saborear um arroz ou uma paella em frente ao mar.

    • Os chicharrones da Casa Manteca (Cádiz)

      Você não tem ideia do que é um bar, se você não passou duas noites na Casa Mantecaentão eu te digo.

    • A morena do bar Palillo (Cádiz)

      A melhor fritura no buraco mais autêntico do bairro de ViñaA fritada - cação marinada, urtiga ou a morena memorável que você vê lá em cima. Don Antonio é Cádiz puro e El Palillo é tudo o que El Faro não é, vou deixar aí.

    • Mojama com tomate confitado (e um vermute) em Quimet & Quimet (Barcelona)

      Excelente representante (digo isto) do que devemos recuperar (longe de concessões ao turismo fácil) da gastronomia popular em BarcelonaTapas divertidas, jaleo, compotas, bons vinhos, bons pratos: mojama com tomate doce e ovo fiado, salmão com iogurte, anchovas com tomate seco, charque com tomate fresco ou lula com cebola confitada. Que comidinha ou que diabos, se passamos a vida inteira comendo em pé e com as mãos.

    • Sardinhas no espeto em Los Sardinales (Málaga)

      Chega de vanguarda por hoje: Areia, brasa, sal e pele crocante. E comê-los (magistral em Los Sardinales ), claro, com as mãos. E é que, como afirmou Julio Camba, com sardinha você tem que perder as formas.

    • Pil pil de tripa de bacalhau com cogumelos no caminho Santi Santamaría no Tram Tram (Barcelona)

      Ou aquelas besteiras que também homenageiam o imenso - necessário SantiTram Tram é (uma das) grandes tapas de Barcelona e é aí que a maravilhosa gastronomia de Isidre Soler continua. Produto, carinho e honestidade. Tão fácil. Tão difícil.

    • Ceviche clássico de Gastón Acurio em Tanta (Barcelona)

      A contribuição de Gastón Acuario a todo o cenário gastronômico é incalculável. Também (é claro) na Espanha, tanto na A&G quanto na Tanta. A cozinha peruana está mais do que estabelecida na Espanha há muito tempo, então ... como seu ceviche não poderia estar entre os 50 melhores pratos?

    • Steak Tartar de Lakasa (Madrid)

      Que difícil escolher o melhor steak tartare da Espanha. Estariam presentes também Jorge Dávila em AlboraRicardo Gadea em Askua, Juanjo López em La Tasquita e Jordi Gotor em Casa Paloma. Mas votamos no ritual César Martín em Lakasa.

Postar um comentário

0 Comentários