Coronavírus e gravidez: tudo que você precisa saber

 

Coronavírus e gravidez: tudo o que se sabe até agora

O SARS CoV 2 é um vírus novo, sobre o qual pouco ou nada se sabe e a literatura científica é a prova disso. Os pesquisadores, que constantemente chegam a novas conclusões, têm publicado diversos artigos baseados na experiência e nas pesquisas sobre o coronavírus e a gravidez que devem ser revisados.

embarzo

Desde março, as mulheres grávidas têm uma nova questão a enfrentar: como o coronavírus afetará meu bebê? Um vírus que semeou o pânico na população mundial e que também pode afetar, segundo a ciência, mulheres grávidas e recém-nascidos.

Portanto, e para acalmar um pouco o ânimo entre as mulheres que estão para ser mães, decidimos consultar a literatura científica até hoje publicada em busca de novos avanços, novos dados e, sobretudo, novos perigos que todos você deve saber . Embora o avisemos antes de começar: você não precisa se preocupar.

A transmissão intrauterina é possível da mãe para o bebê?

Essa pergunta é, até o momento, uma das perguntas mais repetidas pelos pesquisadores. Em relação a isso, em meados de março foi publicado um pequeno estudo na revista The Lancet em que se estudava se essa transmissão existia ou não. Para realizá-lo, eles acompanharam nove mulheres grávidas que foram internadas em um hospital na China em janeiro de 2020.

Lá eles analisaram amostras de líquido amniótico , sangue de cordão umbilical , além de swabs na garganta de recém-nascidos em busca de restos do vírus. O resultado? Todas as amostras foram negativas.

Claro, essas mulheres infectadas tinham algo em comum: todas deram à luz por cesariana.

Esse estudo foi refutado há apenas um mês e meio com o primeiro caso de infecção por coronavírus da mãe para o feto durante a gravidez . Essa descoberta, coletada em um estudo da revista Nature Communications, concluiu que restos de vírus foram encontrados no tecido da placenta, bem como no sangue da mãe e do bebê. O que isso sugere? Que, possivelmente, a transmissão ocorreu através da placenta: "nosso caso se qualifica completamente como uma infecção congênita por SARS-CoV-2" , indicaram os pesquisadores. Embora, sim, eles também disseram que não é um motivo de sobrecarga ou preocupação, pois é muito improvável.

Pele a pele é permitido (e recomendado)

A pele com pele é permitida e, de fato, continua mães positivas recomendadas pelo coronavírus. Ao menos essa é a conclusão a que chega um estudo publicado na revista The Lancet Child Adolescence Health e realizado com o acompanhamento de 120 bebês durante duas semanas em diferentes hospitais de Nova York.

Por esse motivo, os próprios pesquisadores deste estudo recomendam a continuidade pele a pele caso a mãe esteja infectada: “pele a pele e a amamentação são importantes tanto para o vínculo mãe-filho quanto para a saúde do bebê. longo prazo ” , destaca Patricia DeLaMora, sua codiretora.

Obviamente, para a realização pele a pele, os investigadores sugerem que sejam seguidas as recomendações da Organização Mundial de Saúde e da Associação Espanhola de Neonatologia. Ambos os organismos sugerem, entre outros, que a mãe cubra com um pano e observe muito boa higiene das mãos.

É transmitido pela amamentação?

Embora no início da pandemia os resultados de diversos estudos acreditassem que a amamentação não transmitia o coronavírus da mãe para o bebê, a verdade é que as últimas informações refutam esse fato (embora não seja motivo para abandonar a amamentação).

Especificamente, no final de maio passado uma equipe de virologistas alemães encontrou pela primeira vez restos do novo coronavírus no leite de uma mulher infectada, embora, sim, esse fato não mostrasse que o patógeno pudesse ser transmitido pela amamentação . “Não sabemos se os vírus encontrados no leite são infecciosos e podem ser transmitidos ao bebê”, disse na época um dos autores do estudo.

Por isso, a Organização Mundial da Saúde não se cansa de dizer que o leite materno é um dos principais e o primeiro escudo do bebê contra o coronavírus e que, claro, ainda é recomendado no caso de mulheres infectadas.

Mulheres grávidas correm maior risco de serem admitidas por COVID-19

Alguns estudos recentes sugerem que as mulheres grávidas são mais vulneráveis ​​aos sintomas graves associados ao coronavírus. Isso pode ocorrer porque o sistema imunológico muda e se adapta à gravidez.

Na verdade, no final de junho deste ano, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos declarou que as mulheres grávidas têm 70% mais chances de precisar de respiradores , embora isso não signifique que tenham maior probabilidade de morrer. pois eles têm o mesmo que qualquer outra pessoa.

Para evitar isso, os pesquisadores garantem que as gestantes devem ser protegidas: "quem precisa de máscaras são as grávidas e as primeiras a evitar o contato social também", segundo David Baud, especialista em doenças infecciosas emergentes e gravidez.

Como será a entrega?

Neste artigo , contamos a você todos os detalhes do parto a tempo do coronavírus, de acordo com diferentes especialistas em saúde. Assim, garantiram que seria um pouco mais especial, mas cuidariam para que fosse o mais emocionante possível, como sempre foi. Além disso, asseguraram que o fato da mãe ser positiva para coronavírus não estava relacionado à necessidade de parto por cesárea e que o parto ocorreria normalmente; sim, a equipe médica teria mais proteção do que o normal.

Tenho medo de pegar: posso cancelar meu check-up de gravidez?

Esta é a última coisa que você deve se perguntar!

E a ciência também tem uma resposta para isso: um estudo publicado na revista JAMA afirma e conclui que comparecer às consultas essenciais de controle da gravidez não aumenta nem afeta as chances de contrair o coronavírus. Esta pesquisa analisou os registros de consultas de gestantes ao pré-natal e sua relação com a infecção pelo vírus.

Anterior
« Prev Post
Seguinte
Next Post »

ConversionConversion EmoticonEmoticon

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.