Os carros que menos visitam os mecânicos



carros usados

Um detalhe que todos deveriam dar mais atenção antes de comprar um carro é os gastos referentes à sua manutenção, que geralmente envolvem visitas ao mecânico. Assim como alguns veículos têm um bom desempenho e raramente visitam as oficinas, outros, ao contrário, dão muita dor de cabeça aos seus donos.

Seguindo os exemplos de associações Europeias e dos Estados Unidos, a PROTESTE resolveu realizar uma pesquisa de confiabilidade dos automóveis. Os dados estatísticos foram obtidos através de um questionário respondido por 3.027 associados. Os resultados foram separados conforme o fabricante, ano de fabricação e modelo dos veículos.


Na apresentação, os carros foram divididos em dois grupos: antes e a partir 2002, visto que carros mais antigos têm uma tendência maior em apresentar problemas.
Não foi levado em conta fatores como visitas periódicas para revisão ou problemas decorrentes de acidentes. Problemas que impedem o veículo de circular e afetam a segurança do motorista ou de passageiros foram mais destacados que defeitos simples, como problema com o ar condicionado. Note que nem todos os modelos registrados na pesquisa atingiram respostas suficientes para obter dados estatísticos.


Tipos de veículos que participaram da pesquisa:

1. Sedan - 38,3 %

2. Hatch - 30,3 %

3. Station Wagon (SW) 6,2 %

4. Utilitário esportivo - 5,8 %

5. Pick-up - 4,6 %

6. Minivan - 4,3 %

7. Esportivo - 3,8 %

8. Van - 1,0 %

9. Conversível - 0,2 %


Características referentes aos veículos que fizeram parte da pesquisa:

34,2 % circulam em São Paulo

86,4 % circulam em áreas urbanas

54,2 % dos motoristas têm entre 35 e 55 anos

67,7 % rodam apenas com gasolina

37,0 % rodam entre 11 e 50 quilômetros por dia

52,6 % foram comprados como seminovos ou de segunda mão

54,3 foram adquiridos em concessionárias

"62 % dos motoristas que responderam à pesquisa disseram não confiar em determinada marca ou montadora, motivo pelo qual resolveram mudar o modelo e marca de seus veículos."


Acessórios e segurança

Entre os acessórios mais utilizados nos veículos que fizeram parte da pesquisa, o alarme foi o item mais recorrente, instalados em 70,5% dos automóveis, demonstrando a insegurança e medo com relação a roubos, principalmente em grandes cidades.


Depois do alarme, o item mais solicitado é o vidro elétrico, seguido pelo ar-condicionado e direção hidráulica, presente em mais da metade dos veículos.

Bem diferente do que acontece na Europa, onde a mesma pesquisa realizada na França, Bélgica, Espanha e Itália constatou que 95% dos veículos possuem airbag e mais de 80% freio ABS, itens que aparecem somente em 20% dos veículos que fizeram parte da pesquisa no Brasil.


Pelo fato de acreditar que a segurança não deve ser opcional, desde 2006, a PROTESTE iniciou uma campanha para estimular as marcas e montadoras a fabricar apenas carros com itens como: encosto de cabeça ajustável para todos os ocupantes; airbag duplo para motorista e passageiro; cintos de segurança com pré-tensionadores e retratáveis para todos os passageiros, além de sinal sonoro alertando caso não esteja utilizando o cinto e vidros não-estilhaçáveis. O principal objetivo desta campanha realizada pela PRO TESTE é ajudar a diminuir as vítimas fatais em acidentes de trânsito, que no Brasil possuem níveis muito elevados. 


Itens de segurança

Dos equipamentos que deveriam ser obrigatórios, os veículos que participaram da pesquisa possuem:

- Airbag para motorista – 22,8%

- Freios ABS – 22,0%

- Airbag para passageiro da frente – 19,4%

- Airbags laterais para motorista e passageiros da frente – 1,8%

- Airbags para passageiros do banco de trás – 0,8%

- Airbags laterais para proteção da cabeça – 0,8%

- Airbags laterais para motorista e passageiro do banco de trás – 0,4%


Foi questionado aos participantes da pesquisa se nos últimos doze meses houve necessidade de algum reparo em seus veículos, pontuando os reparos conforme a gravidade do problema. Falhas mais sérias e que põe a vida do motorista ou passageiros em perigo, como problema no freio ou no motor, tiveram mais peso nos resultados de confiabilidade dos veículos.  Quanto mais perto de 100, menor serão as chances de você precisar levar o seu carro para o mecânico. Os modelos de fabricantes japonesas tiveram melhor desempenho com relação às outras marcas.

Confira as marcas mais confiáveis conforme os resultados:

Posição      Marca        Confiabilidade

1                 HONDA               89,5

2                 TOYOTA              89,4

3                 CITROËN             87,6

4                 PEUGEOT            85,2

5                 RENAULT            79,5

6                 FORD                   73,4

7                 CHEVROLET        73,0

8                 FIAT                     72,5

9                 VOLKSWAGEN    67,6


Honda e Toyota nas primeiras posições

Pelo fato de carros mais antigos terem mais probabilidade de apresentar mais problemas, devido ao desgaste natural das peças, a PROTESTE incluiu nessa lista somente veículos fabricados de 2002 em diante, sendo estes os modelos que menos apresentaram problemas. Note que houve modelos que não atingiram respostas suficiente para que fossem comparados estatisticamente, por isso, não aparecem na lista.

Confira o índice de confiabilidade:

1. HONDA Civic - 95,0

2. TOYOTA Corolla - 94,2

3. HONDA Fit - 92,8

4. FIAT Palio - 89,3

5. FORD Fiesta - 88,6

6. FORD Focus - 88,6

7. FIAT Siena - 88,5

8.VOLKSWAGEN Fox - 88,3

9. RENAULT Clio - 88,2

10. GM CHEVROLET Astra - 87,8

11. GM CHEVROLET Corsa - 86,3

12. PEUGEOT 206 - 86,1

13. VOLKSWAGEN Gol - 85,6

14. GM CHEVROLET Celta - 85,2

15. VOLKSWAGEN Polo - 84,8

16. FIAT Uno - 83,2

17. FORD Eco Sport - 82,8

18. FIAT Palio Weekend - 77,2



Continuação →



1 - 2 - 3 - 4 - 5 - 6 7 - 8 - 9 - 10